Sem categoria

Vale a pena rever Fera Ferida no Viva!

Giulia e Edson viviam uma história de amor fantástica

Uma das melhores novelas do período de “realismo fantástico”, de Aguinaldo Silva, Fera Ferida (1993), está de volta à telinha a partir de hoje (segunda 15), no canal Viva. Inspirada na obra de Lima Barreto, a produção substitui O Dono do Mundo e conta com um elenco dos sonhos. Dos saudosos Cláudio Marzo, José Wilker e Hugo Carvana Edson Celulari, Giulia Gam, Lima Duarte, Tarcísio Meira, Joana Fomm, Juca de Oliveira, Arlete Salles, Susana Vieira, Otávio Augusto, Vera Holtz, Cássia Kis Magro, Claudia Ohana, Lucinha Lins e Luiza Tomé, além de Camila Pitanga, Carolina Dieckmann e Murilo Benício estreando nas telenovelas.
Um clima de mistério, vingança e cobiça paira sob Tubiacanga. É nessa cidade fictícia que o alquimista Raimundo Flamel (Edson Celulari) tentará destruir todos aqueles que aniquilaram sua família e onde também ele se apaixonará justamente pela filha de seu pior inimigo: a voluntariosa Linda Inês (Giulia Gam)!

Da corrida ao ouro à caça aos ossos

Feliciano Junior (Edson Celulari) retorna à Tubiacanga quinze anos depois do assassinato de seus pais, Feliciano (Tarcísio Meira) e Laurinda (Lucinha Lins). Sob a falsa identidade de Raimundo Flamel, ele pretende se vingar dos responsáveis pela tragédia que acabou com sua família. Seu pai – na época, prefeito da cidade – acreditava na existência de minas de ouro na região. A autoridade contava com o apoio de Major Emiliano Bentes (Lima Duarte), Professor Praxedes (Juca de Oliveira) e Numa Pompílio de Castro (Hugo Carvana) até que uma intriga política, incitada por Demóstenes (José Wilker), estourou e todos ficaram contra o prefeito.              
Flamel chega ao local como um alquimista cheio de mistérios. Disposto a acabar com os poderosos da cidade, ele aguça a cobiça de seus alvos, prometendo transformar ossos humanos em ouro. A notícia se espalha e os moradores passam a violar as sepulturas em busca de ossadas. Flamel tem o apoio de Nicolau (Ivan de Albuquerque), de quem é discípulo, de Genival Gusmão (Ewerton de Castro), seu secretário e ouvinte, e da costureira Margarida Pestana (Arlete Salles), irmã de sua mãe e sua madrinha.

Amor de infância

Flamel só não imaginava que reencontraria um amor do passado: Linda Inês. Logo ela, que é a filha do seu maior rival, Demóstenes, o atual prefeito de Tubiacanga. Ele tenta, então, de todas as formas controlar seus sentimentos, enquanto Linda, sem saber da verdadeira identidade do amado, insiste no romance. Quando descobre que Flamel é Feliciano Junior, a mocinha passa a enfrentar um duelo interno para decidir se fica com o amor, ou com a razão.

Um grande elenco a serviço de ótimos personagens
Personagens caricatos

Comédia e drama, com apelo surreal, caracterizam a atmosfera de personagens irreverentes que caíram no gosto dos telespectadores. Além das mágicas de Flamel, que eram acompanhadas por explosões, raios e fumaça, a trama traz o coveiro Orestes Fronteira (Cláudio Marzo), que se comunica com os mortos. Isolado pelos habitantes por seu aspecto estranho, ele passa a ser respeitado quando revela escutar confidências escabrosas do outro plano. Com sua ajuda, Flamel consegue ter contato com seu pai.            
Outra personagem de destaque é Ilka Tibiriçá, vivida por Cássia Kis Magro. Cheia de trejeitos engraçados e histerismo, ela é adepta do visual anos 60 e vidrada no filme O Candelabro Italiano (1962). O tema musical de Ilka na novela é Al Di Là, o mesmo do longa. Com receitas e pratos exóticos, ela tenta reverter a impotência sexual de seu amado Ataliba Timbó (Paulo Gorgulho).
Já Camila (Claudia Ohana), sobrinha do professor Praxedes e de Querubina (Vera Holtz), é uma espécie de anjo. Ela dorme durante meses, mas acorda levitando ao sentir o cheiro de sua comida favorita: estrogonofe de bacalhau. O poeta Afonso Henriques (Otávio Augusto) é completamente apaixonado pela moça. Ele publica um texto ironizando os mandachuvas de Tubiacanga e tem sua carreira prejudicada. Com o fracasso, Afonso entrega-se à bebida. O personagem é uma homenagem à trajetória de Lima Barreto, que também sofreu com boicotes.
A fogosa Rubra Rosa (Susana Vieira) completa a temática mística de Fera Ferida. A esposa do vereador Numa Pompílio de Castro tem um caso antigo com Demóstenes, inimigo político de seu marido. Quando os amantes se encontram, tudo ao redor pega fogo. As cenas são baseadas na personagem Marcina (Sonia Braga), da novela Saramandaia (1976).
Fera Ferida será exibida e segunda a sábado, à meia-noite, e terá o horário alternativo de sempre: de segunda a sábado, às 13h30. Imperdível!

Anúncios

Um comentário em “Vale a pena rever Fera Ferida no Viva!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s